domingo, junho 17, 2012

Legião Urbana...

Eu sou suspeita em falar sobre esta banda e principalmente do poeta único que foi o Renato Russo, mesmo que sua vida não foi exemplar o que todos temos que admitir é que o cara sabia escrever e compor... veja bem, mesmo 15 anos depois de conhecer esta banda me identifico com as letras, porém cada ano  e tempo da minha vida com uma particularidade diferente... hoje estava ouvindo Quase sem querer... e a frase: "mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira"  e "quantas chances desperdicei quando o que eu mais queria era provar pra todo mundo que eu não precisava provar nada pra ninguem" parecem que foram escritas pra mim. Fico pensando como perdi meu tempo provando que eu não precisava provar nada e não enxergava que isso ocupava um tempo enorme da minha vida. Só compreendi que eu realmente não provaria nada pra ninguem quando não me importasse mais. Não adianta mentir pra si mesmo, pra ser livre a gente tem que se desprender, entender e aceitar o que somos. No momento que adimitimos nossos defeitos e fraquezas e não escondemos mais de nós mesmos, nem tentamos nos enganar sendo algo que não somos, é ai que nos tornamos livres. Não adianta esconder nada de Deus e nem de nós, é algo até ridículo. Exemplo bem futil: fazer dieta e assaltar a geladeira a noite. Não enganamos os outros e sim a nós mesmos.
Hoje fiquei ouvindo e pensando nas letras... e outra que faz muito sentido pra mim é: "Mas é claro que o sol vai voltar amanha". Nada é pra sempre na vida, nem os momentos de tristeza profunda onde temos a certeza que tudo acabou. Tem uma frase que não recordo de quem é que diz mais ou menos assim: "Se vc está no fundo do poço, faça tudo que quiser, vc não vai cair além disso". E claro outra frase incrível é "Se vc quiser alguem em quem confiar, confie em si mesmo, quem acredita sempre alcança" A gente não tem noção da força do nosso pensamento. Se a gente não acreditar na gente, como os outros vão? Pois é...

domingo, junho 10, 2012

O ano dos 30....

Este ano farei 30 anos, e ando meio pensativa: o que é ter 30? Quando a gente é criança e fica anciosa pra chegar nos 15... quando é adolescente quer ter 20 pra ser livre... que ilusão... livre de que? Como a gente pensa idiota quando é adolescente... As vezes pego minhas agendas (é eu colava papelzinho de bala e escrevia sobre meu dia...) e fico relembrando minha rotina, amigos, sonhos, bah... Chego a ficar triste de ver que minha maior preocupação era a prova de portugues, ou o trabalho que eu tinha que entregar, ou levantar cedo pra ir na aula de educação física. Putz... porque eu queria tanto ser adulta? Não entendo, essa é a fase mais longa da vida e talvez a mais chata... É conta pra pagar, filhos, companheiro,emprego, tu nem pode tomar um porre sem que a ressaca te castigue no outro dia, pois quando a gente é adolescente toma uns porre e melhora rapidinho, faz dieta e emagrece horrores...
Mas nem tudo é horrível...hehehehhe o que sinto e o que gostaria era de ter tido a segurança que tenho hoje nos aureos tempos adolescentes... minha cabeça é meio adolescente ainda, mas não posso e nem sou (graças a Deus) a mesma pessoa que eu era. E quando se tem filhos a coisa piora um pouco, a palavra privacidade some da sua vida, pra sempre ou pelo menos nos próximos 20 anos... mas não sei o que eu seria, ou como eu viveria sem meus filhos. Eles me fizeram uma pessoa muito melhor.
Pois é, isto é um pouco de como me sinto chegando perto dos trintinhas... se vc que perde seu tempo lendo minhas divagações me diga: como é?

domingo, junho 03, 2012

Rótulos

Ultimamente tenho lido alguns textos do autor Augusto Cury, "A análise da inteligencia de Cristo", um livro excelente, com uma linguagem fácil e uma conotação filosófica do cotidiano. Bem, o fato é que não gosto de ler livros que não somem algo na minha vida, digo, toda leitura que faço tento transpor para meu dia a dia e minha vida, mesmo os livros técnicos, pois acredito que tudo que lemos tem que ter algum aprendizado. Pois bem, esta leitura frisa muito o fato de se auto conhecer, de explorar o pior e o melhor de cada um, interiorizar-se. Eu vou falar de mim e não das pessoas de maneira geral, pois tenho somente o conhecimento de quem eu sou. Sempre gostei de refletir sobre minhas atitudes, minha vida, pois mesmo sendo uma pessoa de um temperamento bem forte, sei que tenho uma característica boa, eu vejo meus erros e tento, na medida do possível, entendê-los e melhorar. Digo tento porque nem sempre estou a fim, cada um tem seu tempo, e tomei conhecimento de uma coisa que deve acontecer com todos e que influenciam na nossa vida. As pessoas da família te põe rótulos, que muitas vezes não significam que sejam verdades, mas são as verdades deles. Meus pais me intitularam de explosiva, impulsiva e mau humorada.
Não estou dizendo que eles estão errados, pois sei que jamais pensaram em me fazer mal, mas pais também erram. Por conta disso frequentei muitos analistas, psiquiatras pois isto era errado em mim. Era um temperamento que deveria ser tratado. Ao longo de quase 30 anos, tentando diariamente me conhecer, percebi uma coisa que mudou muito minha qualidade de vida: Não estou errada. Aliás, esses são sim meus defeitos e dependendo da situação os uso de forma agressiva e mimada, mas isso não é anormal. Todos temos defeitos, esses são os meus e preciso trabalhá-los diariamente, mesmo que seja com profissionais, mas o fato é que todos precisamos de analistas. Todos temos um lado pior de cada um. Mas entendo a preocupação dos meus pais, pois tenho as mesmas atitudes com meus filhos, quero que eles sejam pessoas incríveis, tipo médicos, engenheiros, mas no meu intimo sei que eles serão o que eles quiserem, pois por mais que eu ache que desta forma é a melhor forma de ser feliz, essa é a minha verdade, não a deles. Antes de ser meus filhos eles são um ser humano com suas características individuais.  E sei que meus pais só queriam que eu fosse muito mas muito feliz, mas o que a gente não percebe é que talvez as consequencias que temos por nossas atitudes geram algumas perdas que pra alguns são devastadoras, mas de repende para aquela pessoa não tem importancia alguma.
Esse é o ponto X da questão. Se por um lado as pessoas acreditam que talvez minha forma de ser, direta, explosiva, impulsiva me prejudique, eu tenho plena consciencia que tenho muitas perdas com isto, mas as prefiro. De poucas experiências que tive nos poucos anos que vivi, smepre preferi a verdade, não sei pisar em ovos com as pessoas, não gosto de rodeios para falar alguma coisa, mas tenho plena consciencia que na sociedade em que vivemos sofro muita descriminação por ser assim, mas eu sei disto, e se sou desta forma é que prefiro as consequencias que vem com essas atitudes. Como da mesma forma as pessoas que agem polidamente e serenamente na vida também tem consequencias ruins. Não existe uma fórmula certa de ser e se viver, todas nossas atitudes tem lado bom e lado ruim e é isto que precisamos  entender e tomar a frente de nossas decisões. Como queremos ser? Como queremos viver? Essa é uma escolha pessoal, mas é uma escolha unica de cada um. Assim, diante desta reflexão, só venho a concluir uma coisa: nós temos que decidir nossos rótulos, nós que devemos nos interiorizar e nos conhecer para aceitarmos o que somos. Eu Karina quero na minha vida somente a verdade, mesmo que seja dura e sofrida, mas optei por encarar as coisas de frente ao invés de ouvir rodeios e mais tarde descobrir a verdade. Por isto procure agir assim, não gosto de muitas coisas e as deixo claras, pois também discordo daqueles que vestem um personagem para agradar aos outros. Não quero agradar ninguem, e também não sou um bicho horrível, sou carinhosa, amo os meus, mas demonstro do meu jeito e não da maneira que os outros esperam que sejamos.
Finalizando: Tenho defeitos, sim, mas todos temos. Erro, muito, mas todos erramos. O ponto de vista de cada um pode ter muitas verdades, e devemos respeitar sempre, mas não concordar.